domingo, 28 de abril de 2013

APOS CHUVA - MUITO INSETOS.

Neste final de semana fui no Jorrinho mais uma vez agora acompanhado dos amigos, Sérgio Cedraz e Marcelo, estavamos empolgados pois tinha chovido a semana toda e no dia anterior fez sol o que significava que os insetos estariam ativos e presentes e não falhou, tudo muito verde e com flores aparecendo, com isso muito insetos Com a continuidade do sol na próxima semana acho que vai bombar de insetos – graças a Deus.

Não precisamos rodar muito, a maioria das fotos foram feitas em uma pequena área de 100m2 com vegetação baixa, coisa de 20 a 30 cm, mas nas pequenas flores haviam muito cascudos e aranhas, tive sorte de encontrar bichos bem interessantes e diferentes desta vez, em especial uma lagarta super diferente e uma dos mais belos insetos que já vi, que fica no maracujá mas muito arisco.

Usei duas lentes hoje, na maioria a 100mm L com um tubo de 12mm e nos insetos pequenos usei a MPE-65, pois nos cascudos queria encher o quadro.

Segue algumas das fotos e lembre-se de clicar nelas 2x para ver em tamanho maior:

Uma vespa bastante arisca, não parava um segundo, comecei a disparar em sequencia para conseguir esta foto.

Aranha comum no jorrinho, ela sempre tem a mesma cor da folha que fica, o que me agrada nela são seus espinhos.

 Nas flores haviam muitos cascudos e sempre acontece um "love" rsrsrs.

Nesta foto aconteceu uma coisa insteressante, essa mosca não parava e ficava não mais de 3 segundo em cada flor, assim escolhi uma flor, fiz o pre-foco e fiquei torcendo esperando para ela vir, por sorte ela veio e deu tempo fazer a foto.


Nesa foto do gorgulho tive como dificuldade ele estar a 10cm do chão e eu precisava também estar no mesmo plano dele para focá-lo todo, fiz com várias cores de fundo e a que mais gostei foi a marron.

Robberfly predando uma abelha, nesta ensaiei um ISO maior, com 250, ainda estou me acostumando pois sou relutante a sair do ISO100.

 O velho e lindo grilo colorido, fazia tempo que o via no mato, com a chuva ele veio.

Aranha carangueijo branca, essa não tinha mais que 1cm, a dificuldade foi a fotometria por ela ser branca, mas depois de uns ajustes consegui.

Essa lagarta foi o inseto que mais nos invocou, estranha demais, quem souber a qual lagarta se refere posta ai.

Um dos mais belos insetos que ja fotografei, fica no Maracujá e é muto arisco, deu bastante trabalho para conseguir fazer uma foto, vou voltar lá para fazer outras fotos.

 Mais uma espécie de borboleta com olho de coruja, já vi uns 10 tipos.

 Minúsculo besouro, deve ter uns 0,8cm, para esta foto usei a MPE-65 em mais de 2x.


domingo, 21 de abril de 2013

Top dicas de Macrofotografia

1 - Use lentes certas:
A distância focal das lentes de macro variam entre 50mm a 200 mm e invariavelmente são fixas, apesar de muitas lentes zoom possuírem a definição de "macro" estas não conseguem a ampliação em tamanho real - verdadeiro macro com relação de ampliação1:1 - Assim muito cuidado a comprar lentes de marcas genéricas achando que são macro por conter estes nomes. Segue abaixo a relação de todas as lentes macro do mercado até a data:
  • Canon EF 50mm f/2.5 Macro:
  • Nikon 40mm f/2.8G AF-S DX Micro:
  • Sigma 50mm f/2.8 Macro for Sigma:
  • Sony 50mm f/2.8a Macro:
  • Nikon 60mm f/2.8 D AF Micro-Nikkor:
  • Tamron SP 60mm f/2 Di II:
  • Canon MP-E 65mm f/2.8 1-5x Macro:
  • Sigma 70mm f/2.8 EX DG AF Macro:
  • Nikon 85mm f/3.5 G AF-S DX Micro ED (VR-II):
  • Sony Planar 85mm T* f/1.4a:
  • Tamron SP 90mm f/2.8 Di:
  • Canon EF 100mm f/2.8 USM Macro (AF):
  • Canon EF 100 f/2.8L IS USM (AF):
  • Sony 100mm f/2.8a:
  • Tokina AT-X 100mm f/2.8:
  • Zeiss 100mm f/2.0 Makro Planar ZE:
  • Nikon 105mm f/2.8G ED-IF AF-S VR Micro-Nikkor:
  • Sigma 150mm f/2.8 EX DG APO AF for Canon or Nikon:
  • Canon EF 180mm f/3.5L Macro USM:
  • Tamron SP 180mm f/3.5 Di Macro LD-IF:
  • Nikon 200mm f/4 ED-IF AF Micro Telephoto Nikkor:
As lentes entre 50-60mm são adequadas para o trabalho macro geral, principalmente usadas para fotografar flores, alimentos ou objetos inanimados pois exigem uma aproximação maior do assunto, já para insetos uma lente que permite uma distância maior ajuda muito, portanto recomendo lentes a partir de 100mm.

Para criaturas como borboletas, a distância da lente ao objeto se torna ainda mais importante então a distância focal deve ainda ser maior, assim as lentes na faixa de 150-200mm são as recomendadas, apesar de muito caras.



2 - Use tubos de extensão:
Tubos de extensão ficam entre a montagem traseira da lente e o corpo da câmera para fazer a lente consiga fazer o foco mais próximo do assunto, portanto produzindo uma imagem muito maior de um assunto menor. Ele é vendido em kits de três tamanhos e vale muito a pena ter, pois consegue ampliações fantásticas e sem perda de qualidade da imagem uma vez que eles não tem ótica. Geralmente uso um de 12mm na minha Lente 100mm e com excelentes resultados. Além disso, com um tubo de extensão montado você perde o foco infinito de sua lente, assim coisa mais distantes não podem ser focadas, isso é péssimo quando fotografando um inseto uma borboleta aparece próxima e você não consegue a fotografar.





3 - Use aberturas pequenas (número MAIOR) para melhorar a profundidade de campo – DOF.
Para obter o máximo de profundidade de campo disponível, selecione uma abertura pequena, no mínimo F/11, mas preferencialmente entre F/16 e F/22, com isso consegue focar melhor o objeto e ter mais partes dele focadas. Saiba que em tamanho real, em F/22 a profundidade de campo é de apenas 15mm.


4 - Mistura de Flash com Ambiente:
Fotos com fundos claros e luz mais natural geralmente são as que mais agradam, porém nem sempre conseguimos esse resultado quando fotografamos em matas ou em condições ruins de luz (que acontece na maioria da vezes) uma boa alternativa é o uso combinado da luz natural e o flash usado como preenchimento, o resultado é bem interessante e não é tão complicado de fazer. Eu faço o seguinte: Faço a fotometria normal e tendo uma tolerância de pelo menos um ponto a menos e regulo o flash de 1 a 2 pontos de luz a menos, para apenas clarear as áreas escuras do inseto, o resultado geralmente me agrada, algumas fotos abaixo:




5 - Ponto de Foco:
Um dos pontos mais importantes, o foco deve ser preciso e sua mínima variação altera significativamente a foto. No caso de insetos é imperativo que o foco seja nos olhos, nunca vi uma boa foto macro de insetos ou aranhas que o foco fosse em alguma outra parte do corpo, por isso tenha os olhos como objetivo sempre nos caso de insetos. No caso de objetos inanimados você tema liberdade de focar onde a composição mais te agradar.


6 - Fundos:
Uma das partes mais complicadas da macrofotografia é a composição do fundo com o objeto fotografado, pois geralmente a luz do flash não atinge o fundo o deixando preto, o que desagrada em alguns casos, eu particularmente gosto de insetos de cores vivas em fundo preto, acho que destaca ainda mais.

Uma boa dica para tirar o fundo preto é usar uma folha como fundo a posicionando com a mão sobressalente atrás no inseto, podendo ser de cores variadas alterando o resultado da foto.

Outra boa dica é saber se posicionar, muitas vezes se mexendo alguns centímetros conseguimos alterar muito o fundo conseguindo um cor mais atraente. 

 

7 - Levante-se cedo:

Nem todo mundo é fã de acordar cedo, mas se você quer fotografar macro no campo é algo que você deve se acostumar a fazer. Alguns insetos tendem a ser menos ativos na parte da manhã, especialmente quando ainda é um pouco frio, tornando-os mais fáceis de fotografar. Além disso pela manhã pode trazer uma pitada de orvalho, que acrescenta outro nível de interesse para suas fotos.

 

8 - Adicionar algum espaço:

Nem sempre fazer closes fechados ou o inseto tomando todo o quadro agrada, é interessante deixar muitas vezes o inseto “respirar” deixando espaços ou seu redor e mostrando o ambiente que ele está, o que torna a composição mais agradável. Neste caso o uso da regra do terço é bem vinda.





9 - Focar o inseto inteiro:
Uma das diretrizes da macrofotografia é a nitidez maior possível, portanto tente fotografar o inseto em paralelo ao sensor, isso garante que todo o inseto esteja focado e bem nítido, a mínima inclinação desfoca parte dele. Se o desejo for focar apenas uma parte, que seja bem evidente essa decisão.




domingo, 7 de abril de 2013

MACROFOTOGRAFIA NO JORRINHO, O BOM FILHO À CASA RETORNA.

Depois de alguns meses, voltei ao Jorrinho no sítio de amigo Barcelar para fazer macrofotografia e gostei muito do que vi, a vegetação já esta mais verde e acho que nas próximas semanas os insetos estarão bem presentes. Vi muito insetos mas na maioria bem pequenos, acho que estes são os primeiros à aparecerem, vi também flores querendo desabrochar e a eminencia de que a fauna vai estar de volta, apesar de achar que vai levar mais uns dois anos para recuperar a perda da seca do ano de 2012.

Até semana retrasada estava uma coisa horrível, sem verde, tudo seco e sem vida, ainda hoje as lagoas e rios da região estão secos, mas com fé em Deus nos próximos meses tudo vai estar como deve ser, verde e cheio de vida.

Minhas saídas de macro ainda estão no esquema “matar-a-sede”, ou seja, vou para o mata apenas para matar a vontade, sem muita esperança de grandes fotos, mas agora tudo esta mudando, vou preparar minhas novas gambiarras de iluminação e dedicar mais tempo e daqui ~alguns meses vai ter muitas fotos por aqui.

Neste dia o que me chamou atenção foi um gafanhoto vermelho e uma pequena aranha saltadeira com as pernas da frente bastantes alongadas que parecia patas de caranguejo, era minúscula coisa de menos que 1,0 cm.

A Robberfly também cooperou e deixou eu fazer fotos com várias cores de fundo.

Segue as fotos, clique nelas para ver em tamanho maior: